Sou certinha e sou feliz

quarta-feira, novembro 18, 2015


Eu gostaria de entender a dificuldade que as pessoas tem de se assumirem certinhas e precisarem ficar o tempo todo afirmando o quanto são loucas. Queria entender que ode à loucura é essa que surgiu de uns tempos pra cá onde todos querem compartilhar memes que falem sobre o quanto elas são loucas e não estão nem aí pra vida e pra nada. Entendo que isso veio na época da contracultura e de todo o movimento hippie, onde a resistência estava na loucura.
Mas as pessoas rechaçam o "certinho" como se SÓ fosse possível ser feliz na loucura, no desvario e sendo destrambelhado da cabeça. Há uma negação de todo tipo de ordem e a racionalidade, como se todos que os seguissem, fossem bitolados. Eu acho que é preciso sempre um pouco de ordem sim, pra não rompermos com a realidade.
Hoje em dia é como se só se pudesse, por exemplo, ser realmente uma mulher livre e emancipada do patriarcado se não se apegar a nenhum homem, se não souber cozinhar, se não souber costurar ou nada que se assemelhe ao que sua mãe ou sua avó fazia. 
Eu me assumo certinha! Eu amo ser uma pessoa certinha e careta (no bom sentido da palavra). Eu amo ser nerd, eu me mato de estudar sim porque sou perfeccionista, talvez até um pouco orgulhosa e auto-cobrante. Eu amo aprender ofícios "de dona de casa" ou "de velha" sim! - como cozinhar pra quem amo (isso inclui sim meu namorado sim!), como costurar, aprender a bordar, deixar tudo em ordem, tomar um chazinho com biscoitos, cuidar do meu irmão e ficar em casa no meu sossego. Eu tenho religião sim e vou ao centro espírita de uma a duas vezes por semana - um compromisso de mim pra mim mesma. Eu namoro o mesmo cara há mais de 6 anos e passo todos os meus sábados com ele porque amo esse momento nosso e só quem ama entende o que esse tempo significa.
E ser assim não faz de mim uma alienada do meu poder, da minha força e da minha contestação contra o mundo e as coisas que estão erradas. E isso não faz de mim uma pessoa menos feliz, porque o meu "ser certinha" não me aprisiona. Ser certinho não é sinônimo de ser um pássaro preso na gaiola. Não existe o binômio "ser feliz ou ser certinho". Os dois podem andar juntos e eu sou a prova disso.
Ser certinho pra mim não é ser legalista, moralista ou se adequar a todos os padrões da sociedade (coisas que nego com todas as minhas forças). Quem pensa que é isso, precisa rever seus conceitos. Eu sou certinha e tenho a mente aberta, sou crítica e muitas vezes vou contra a massa, nado contra a maré também. Mas não acho que eu precise me afirmar todo tempo como uma pessoa "louca", "fora dos padrões", que não está encada com os estudos (porque eu sempre estou), que não está pensando em casar (porque eu estou sim) e outras coisas do tipo. A juventude de hoje se tornou extremista demais e isso me entristece.
Eu sou certinha porque sou assim desde que me entendo por gente. E, não trazendo nenhum tipo de sofrimento a mim e aos outros, não pretendo mudar tão cedo. Eu sou assim porque gosto de ser assim, não porque busco reconhecimento pelo meu empenho, esforço ou dedicação. Não por querer agradar ou buscar aprovação externa. Eu sou assim porque amo ser assim. Sou louca quando preciso ser, dou meus ataques, barracos, pitis e falo meus palavrões quando tenho que dar e falar. Abro minha boca quando vejo injustiças e quando acho que tem algo que precisa ser mudado. Mas sou vista na maioria das vezes como uma pessoa em equilíbrio. Não pretendo vestir uma máscara de loucura pra me adequar talvez ao que a sociedade preza hoje como sendo o "legal". Sou assim, sou feliz assim. E pra mim é isso que importa.

Você também poderá gostar de

12 comentários

  1. Concordo, só não entendi a sua definição de "certinha". Odeio cozinhar, não tenho namorado/marido, não sei costurar, sou ateia e mesmo assim me considero certinha. kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe na verdade uma definição pra isso, mas eu, pessoalmente, sou julgada como "certinha" por esses motivos, entendeu? As pessoas acham que pra ser feliz tem que ser louco na vida e desapegado de tudo isso. Enfim, foi só um desabafo. Talvez nem todos entendam, talvez nem eu mesma saiba explicar. Obrigada pela visita, minha linda!

      Excluir
  2. Esse texto definiu o que eu venho pensando faz um tempinho já. É impressionante e espantoso como as pessoas necessitam "enlouquecer", mesmo que só aparentemente, para se sentirem legais e serem aceitas. Como se fosse pra provar algo, sabe?
    Prefiro ficar em casa lendo um livro ao invés de sair de balada e encher a cara, mas tô bem e tô inteira. Sou certinha e sou feliz.
    {caosologia}

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente no começo da adolescência eu enlouqueci pra parecer diferente, e eu acreditava que era diferente mesmo seguindo um estilo modinha, eu queria de certa forma chamar atenção e ter amigos que eu achava que seriam legais. Ainda bem que aquela fase durou pouco e eu consegui perceber o quanto eu estava me prejudicando, afastando amizades verdadeiras e omitindo minha essência. Me sinto feliz por ter conseguido me reencontrar e me aceitar como sou. Adoro o blog! bjs

    ResponderExcluir
  4. Então eu tenho que te dizer que para os outros, você é sim, louca! rsrs
    Está sendo do contra!
    Eu também gosto dessas coisas "de mulher", que muito homem gosta também. Cozinhar, porque costurar tá difícil, rsrs. A gente só tem que ser o que é, ninguém precisa de rótulos...

    ResponderExcluir
  5. Que amor de texto, Estefanie! ♥
    Eu já fui muito julgada por ser "certinha", ser daquelas filhas obedientes, daquelas jovens que não tem as aventuras mais insanas pra contar e coisas do tipo. Mas também por ter uma visão diferente das coisas (como discordar do método de estudo e trabalho que é comum hoje em dia) me chamam de louca. Ou seja: as pessoas insistem em nos rotular e julgar a todo momento.
    E assim como você, as minhas atitudes não me aprisionam e independente de como decidam me chamar, tô bem feliz assim ♥

    ResponderExcluir
  6. Eu sei o que você passa,todo mundo me julga certinha de mais,tanto que já fui levada no psicólogo, pois não não fazia bagunça como os outros da minha sala��

    ResponderExcluir
  7. Amei , e to dentro de tudo q VC disse, certinha e feliz.

    ResponderExcluir
  8. Acompanho seu blog desde sempre e nunca comentei em nada, mas esse texto ó <3 Eu precisava mesmo de alguém que compartilhasse a mesma opinião! Você é demais <3

    ResponderExcluir

Subscribe