Pequenos compromissos

quinta-feira, setembro 10, 2015


Vou firmando pequenos compromissos comigo mesma. De manter-me saudável e manter a mudança. De celebrar todos os dias a maior riqueza que tenho na vida: tempo. De ser grata por lutar com pulso o que mais prezo sentir no lado de dentro: serenidade. De procurar manter o bom senso nas situações mais difíceis e aceitar que muitas vezes vou falhar. De ser mais seletiva e aprender a ser feliz com menos. De deixar de fazer planos a longo prazo e viver mais o momento. De repensar os meus dias e fazer a mesma pergunta em todos: o que posso decidir hoje para ser feliz?
Repito muitas vezes que não basta estar e ser, é preciso abrir os olhos e ver o que importa. Fazer silêncio dentro de nós e reparar. Conjugar a gratidão como quem conjuga o verbo que melhor nos define. Repito muitas vezes que nem sempre podemos mudar a nossa realidade. Mas podemos, sempre, modificar a forma como a vemos. Podemos, sempre, escolher o filtro positivo, a lente otimista, a visão feliz. Porque o mais bonito da vida está sempre mais perto do que parece. E o mais difícil (que achamos ser o mais fácil) é abrir os olhos e ver.
Ler nas entrelinhas da vida os porquês daquilo que somos: daquele gesto sempre adiado; aquele erro que insistimos em repetir; o impulso que não conseguimos conter. E, olhando para dentro, atentos ao que a vida ensina, crescemos, se estivermos disponíveis para aprender.
A vida, a mesma que não pede autorização para mudar o rumo dos dias, a que nos obriga a manter muito claro o conceito de adaptabilidade, ensina, a quem quer aprender, que todos os dias temos à nossa frente duas escolhas:
1. ficar no "conforto" da lamentação de tudo o que não somos ou não temos;
2. ou encher o peito do ar que aprendemos a renovar, arregaçar as mangas, olhar para o novo plano e introduzir novas coordenadas no nosso gps.
O ego fala mais alto, mas engana-nos. A vida fala mais baixo, mas ama-nos. Assim mesmo e com todas as letras.

Você também poderá gostar de

6 comentários

  1. "O ego fala mais alto, mas engana-nos. A vida fala mais baixo, mas ama-nos. Assim mesmo e com todas as letras."
    Por isso que é preciso tamanha dedicação para saber ouvir, não é? Tem que deixar o ego mais na dele, pra ouvir a vida/amor.
    Beijo de luz. E antes de ir, queria deixar registrado que adoro o seu blog! haha :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana Lua (gente, que nome mais lindo!). Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Fico feliz em saber que gosta do meu/nosso cantinho.
      Mil beijos!

      Excluir
  2. Eu nem sei o que comentar aqui. Esse texto encheu meus olhos de lágrimas de felicidade.
    Obrigada por me fazer enxergar certas coisas que há muito tempo eu estava precisando.

    Beijos <3
    Tribo Alternativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo saber que esse texto te trouxe essa sinestesia de sentimentos e emoções, Carol! Feliz em ajudar.

      Beijos <3

      Excluir
  3. Não tem nem o que dizer sobre esse texto maravilhoso... Aliás, como eu sempre digo aqui, tudo o que você posta eu fico sem palavras e apenas absorvo o tanto de coisas boas que eles me passam! Queria que você soubesse que eu mudei muito depois que passei a visitar seu blog todos os dias. Dei valor às pequenas coisas, pequenos gestos, sensações... Passei até a meditar com mais frequencia (e nooossa como isso me ajudou, sério). Tenho problemas emocionais e ver seu blog, que hoje tá mais voltado pra "coisas que realmente importam", tem me ajudado demais! Até mudei o nome do blog de SOS feminismo pra LIVRANDO A ALMA. É o que quero. Um beijoo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaai, Flavia! Que maravilhoso ler algo assim. Me deixa ainda mais feliz e motivada a continuar a fazer o que faço e seguir esse caminho. Me sinto grata por saber que pude ajudar alguém de uma forma tão positiva. Feliz por sua mudança!
      Beijos e mais beijos!!

      Excluir

Subscribe