Meditação mindfullness

sexta-feira, abril 03, 2015


De uns anos para cá a meditação ficou bastante popular no Ocidente, principalmente a do tipo "mindfulness" (pode ser traduzido como "atenção plena"). Enquanto a meditação clássica consiste em focar na respiração e não pensar em nada, por outro lado, a mindfulness envolve colocar toda a atenção no que estamos vivendo e sentindo naquele momento, sem julgamentos. Em vez de buscar um nível de transcendência, aqui se busca estar plenamente presente.
Mindfulness ou Atenção Plena é um estado de atenção do momento presente em que cada sensação física, emoção ou pensamento que surge no campo da atenção é observado sem julgamento e aceito como tal.

  • Atenção = estar atento/consciente na experiência em si
  • Momento presente = no aqui e agora
  • Observar = observando como se fossemos um espectador
  • Isento de julgamento = não categorizar em bom ou mau
  • Aceitar = aceitando a experiência interna com suavidade

Os benefícios do mindufulness são muitos, sendo que entre eles se encontram a redução da ansiedade, stress, depressão, cansaço e irritabilidade; aumento dos níveis de concentração, memória e da função cerebral; fortalecimento dos sistema imunitário; equilíbrio do peso corporal, através da redução da ansiedade que muitas vezes se encontra na causa do aumento de peso; redução dos níveis de cortisol (hormônio do stress e envelhecimento); redução da atividade mental e pensamentos "negativos".

O mindfulness não requer uma postura específica – você pode estar sentada numa cadeira, de pé na fila do supermercado, sentada de pernas cruzadas, a caminhar, a cozinhar – o que importa é que se encontre consciente do momento presente. O mindfulness não requer um tempo específico – se você só tem 5 minutos, tudo bem. O mindfulness também não é uma religião, mas sim uma técnica de treino mental que irá ajudar a tranquilizar a tua mente e focar no momento presente.

Essa instrução é parte dos ensinamentos do monge budista Thich Nhat Hanh e está no livro “The Miracle of Mindfulness” (citado no ElephantJournal).

"A respiração está alinhada com corpo e mente e ela sozinha é a ferramenta que pode uni-los, iluminando e trazendo ambos para a paz e a tranquilidade…
Mantenha sua coluna ereta. Isso é muito importante. O pescoço e a cabeça devem estar alinhados com sua coluna vertebral; eles devem estar eretos mas nem duros nem tensos. Mantenha seus olhos focados um ou dois metros à sua frente. Se você puder, mantenha um leve sorriso.
Agora comece a seguir sua respiração e a relaxar os músculos. Concentre-se em manter sua coluna ereta e seguir sua respiração. Em relação a todo o resto, deixe ir. Deixe absolutamente tudo ir". 

Lembre-se de que você nunca será capaz de ficar muitas horas em estado de mindfulness. A mente humana é programada para vagar. 
O próximo passo é tentar levar a consciência do aqui e agora para cada atividade do dia. Por exemplo, repare na temperatura da água e no movimento de suas mãos enquanto lava louça. Foque-se em como as cerdas da escova de dentes tocam a sua gengiva…
Você pode experimentar mindfulness em diferentes ocasiões – como em uma discussão/debate. Pratique a consciência respiratória e depois, mesmo no ápice do conflito, esteja atenta à respiração, ao corpo e às emoções. Permaneça no momento, em vez de já ficar bolando como você responderá a alguma crítica. Isso vai ajudá-la a ser uma melhor ouvinte e a evitar dizer algo de que se arrependerá depois.
Qualquer momento do nosso dia-a-dia pode ser um momento de atenção plena!


Parar e não fazer nada é um conceito importante no budismo e é uma prática fundamental nos ensinamentos do Thich Nhat Hanh. Mas parar e não fazer nada é importante sobretudo para pessoas muito ocupadas. Acho que o conceito dessa prática é bem próximo à filosofia "ichi-go, ichi-e", que já contei também aqui nesse post.

Enfim, espero que tenham gostado do post e das informações. Vamos adotar essa ideia no nosso dia-a-dia? Beijos!


Você também poderá gostar de

1 comentários

Subscribe