Mulheres (famosas) que me inspiram + playlist especial

domingo, março 08, 2015


Eu participo do grupo no Facebook "Coisas de Blogueira" e um dos temas da blogagem coletiva desse mês é "mulheres que inspiram". Março é dito "mês das mulheres" e embora eu tenha algumas objeções a fazer sobre essa data (assunto grande que daria outro post), nada melhor que falar sobre mulheres fortes, revolucionárias, que mudaram (e muito), o rumo da história feminina no mundo! Escolhi as que possuem as histórias que mais me encantam e decidi compartilhar por aqui com vocês. Vamos lá?


Coco Chanel

Conheci a história dela lendo o livro "O Evangelho de Coco Chanel" e através também do filme "Coco antes de Chanel", com a linda da Audrey Tautou. A história dela é inspiradora. Coco apareceu nos anos 20, começou a usar roupas de montaria, com calças e cortes masculinos. Nos livrou do espartilho, das roupas apertadas e dos chapéus incômodos e nos deu de presente o conforto e a elegância. As peças leves de jérsei, a bolsa a tiracolo, o suéter folgado, o cardigã, o tailleur, o pretinho básico são algumas das inúmeras invenções da francesa Gabrielle Bonheur Chanel, conhecida como Coco Chanel. Ela também foi uma das primeiras mulheres a aderir o estilo boyish. Em 1909 abriu uma butique de chapéus. Pouco depois, um ateliê de costura, teve um sucesso enorme, mesmo antes de lançar o perfume Chanel no 5 e a bolsa 2.55. Continuou a criar e brilhou até morrer, aos 88 anos, no hotel Ritz, onde morava. Teve vários namorados, mas nunca se casou.
Seu poder, sua vontade de lutar, de trabalhar e de ir avante me inspira e me faz perceber que sim, as mulheres podem chegar onde quiserem, independente do que digam ou de sua história passada.

Frida Kahlo

Já fiz um post enorme aqui no blog sobre a Frida (quem quiser ler é só clicar aqui), mas vou contar novamente um pouquinho da sua história. Pra quem não sabe, ela foi uma das mais famosas artistas mexicanas e é vista por muitos como um ícone da criatividade, arte e força feminina. Em 1913, com seis anos, Frida contraiu poliomielite, a primeira de uma série de doenças, acidentes, lesões e operações que sofreu ao longo da vida. A poliomielite deixou uma lesão no seu pé direito, pelo que ganhou o apelido de Frida pata de palo (ou seja, Frida perna de pau). Dizem que por isso, mais tarde, passou a usar longas e exóticas saias, que se tornaram uma de suas marcas registradas.
Frida começou a pintar depois de ficar gravemente ferida em um acidente de ônibus, no qual fraturou a coluna e a pélvis. Ela produziu diversas pinturas enquanto se recuperava e também foi ativista política, juntando-se à liga das jovens comunistas e à organização mexicana dos comunistas. Kahlo foi uma das primeiras mulheres famosas a se assumir bissexual e uma das primeiras mulheres que se tem notícia a se casar e morar em casas separadas como ela fez com Diego Rivera em 1940.
Frida foi um exemplo de resignação e força. Aceitou conviver com suas dores e passou pela vida com maestria, conseguindo contornar de forma bela, artística e poética cada problema que lhe surgia. Me inspira em cada detalhe.

Audrey Hepburn
Audrey Hepburn (1929-1993) foi uma atriz belga. "A Princesa e o Plebeu" e "A Bonequinha de Luxo", são dois de vários filmes de sucesso de sua carreira. Foi a terceira mulher a receber as quatro premiações americanas por seu trabalho, o Emmy, o Grammy, o Oscar e o Tony
Ainda muito criança viu os horrores da 2ª guerra mundial. Já moça mudou-se para os Estados Unidos onde decidiu fazer balé, porém ela já era muito adulta para começar. Estreou na televisão fazendo comerciais. Ao contrário das maiorias das atrizes atuais que derramam rios de lágrimas para demonstrar tristeza, dão beijos ardentes para demostrar uma paixão, ou grandes sorrisos para demonstrar alegria, Audrey precisava de muita pouca coisa para transmitir os mesmos sentimentos, apenas um olhar.
Na década de 80, torna-se Embaixadora Especial para o Fundo UNICEF das Nações Unidas, de Ajuda às Crianças. Participou de missões no México, El Salvador, Equador, Venezuela, Sudão, Somália, Etiópia e Tailândia. Faleceu no dia 20 de janeiro de 1993, na cidade de Tolochenaz, na Suíça. Em 2009 foi eleita a atriz mais bonita da história de Hollywood.
Audrey era um exemplo de humildade, elegância, alguém a quem o sucesso não subiu à cabeça e que não perdeu seus valores em prol da beleza e da fama a qualquer custo. 

Malala Yousafzai


A paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos, ganhadora do Nobel da Paz de 2014 junto com o indiano Kailash Satyarthi, não conquistou sua notoriedade de maneira fácil. A jovem se tornou conhecida ao mundo após ser baleada na cabeça por talibãs ao sair da escola, quando tinhas 15 anos. Seu crime foi se destacar entre as mulheres e lutar pela educação das meninas e adolescentes no Paquistão– um país dominado pelos talibãs, que são contrários à educação feminina. Seu pai, que era dono da escola onde ela estudava, e sempre incentivou sua educação, pediu ajuda aos militares locais para permanecer dando aulas às meninas. Naquela época, um jornalista local da BBC perguntou ao pai de Malala se alguns jovens estariam dispostos a falar sobre sua visão do problema. Foi quando a menina começou a escrever um blog, "Diário de uma Estudante Paquistanesa", no qual falava sobre sua paixão pelos estudos e as dificuldades enfrentadas. O blog era escrito sob um pseudônimo, mas logo se tornou conhecido. E Malala não tinha receios em falar em público sobre sua defesa da educação feminina. No dia 9 de outubro de 2009, Malala deixou sua escola e seguiu para o ônibus que a levava para casa. Pouco depois, dois jovens subiram no ônibus, perguntaram por ela e dispararam. Além de Malala, outras duas meninas também foram baleadas. Malala passou por uma cirurgia e recebeu acompanhamento do governo e de médicos britânicos. Ficou em coma por 10 dias e escapou sem sequelas. Embora Malala tenha recebido muito apoio e elogios ao redor do mundo – incluindo diversas manifestações contra o ataque, no Paquistão a resposta para a sua ascensão ao estrelato foi mais cética, com alguns acusando-a de agir como um fantoche do Ocidente. Mesmo estando na Inglaterra, ela continuou a receber diversas ameaças dos talibãs.
Se quiser saber mais de sua história, pode conferir no livro "Eu sou Malala", que está na minha wishlist literária.


Tenzin Palmo



Não, eu não conheci a Tenzin Palmo através daquele vídeo sobre amor genuíno, que tava circulando nas redes sociais. Eu a conheci antes, através do livro Karmatopia (que resenhei aqui).
Jetsunma Tenzin Palmo foi educada em Londres, tornando-se budista durante a adolescência. Em 1964 , aos 20 anos de idade, decidiu ir para a Índia para prosseguir seu caminho espiritual. Lá encontrou seu Guru, um grande Lama da Linhagem Drukpa, e tornou-se uma das primeiras mulheres Ocidentais a ser ordenada monja no Budismo Tibetano.
Tenzin Palmo permaneceu com Khantrul Rinpoche e sua comunidade no Norte da Índia, por seis anos, quando então Khantrul Rimpoche a orientou para ir a Lahaul, no Vale dos Himalaias, a fim de desempenhar uma prática mais intensa. Ela permaneceu em Lahaul por vários anos, em um pequeno monastério, ficando em retiro durante os longos meses de inverno. Buscando maior isolamento e melhores condições para a prática, encontrou uma caverna nas proximidades do mosteiro, onde permaneceu por mais 12 anos, sendo que os três últimos foram em retiro restrito. Ela deixou a Índia em 1988 e foi morar na Itália, onde deu ensinamentos em vários centros de Dharma.
Sua Eminência Khantrul Rinpoche antes de falecer, em 1980, em várias ocasiões, pediu para Tenzin Palmo iniciar um convento. Ela entendeu bem a importância disto e, em 1993, quando os Lamas do Monastério de Khampagar novamente lhe fizeram esta solicitação, ela estava preparada para realizar aquela formidável tarefa. Em janeiro de 2000 as primeiras monjas chegaram ao local. Em 2001, a construção do Convento Dongyu Gatsal Ling teve inicio e posteriormente foi abençoado por Sua Santidade Dalai Lama. Em fevereiro de 2008, Sua Santidade Gyalwang Drukpa, o líder espiritual e autoridade máxima da Linhagem Drukpa , concedeu a Tenzin Palmo o raro título de Jetsunma, que significa “Venerável Mestra”, em reconhecimento de suas realizações espirituais como monja e de seus esforços em promover o status das praticantes femininas no Budismo Tibetano.
Com uma linguagem simples e um foco na vida cotidiana, sem discursos eruditos, ela é uma grande professora, recomendada por Sua Santidade o Dalai Lama e Alan Wallace. Você pode encontrar vídeos muito interessantes dela no Youtube.

E agora, para finalizar, uma playlist especial para o Dia das Mulheres que montei, com cantoras notáveis e respeitáveis e músicas com letras que tem tudo a ver com o nosso empoderamento.




É isso, pessoas! Só pra lembrar: a mulher que mais me inspira na vida é minha mãe (mãe, te amo!!). Mas como ela não é famosa, não coloquei no post, hahaha.

E você, quem são as mulheres que te inspiram? Conta aí nos comentários! Espero que tenham gostado. Beijos!

Você também poderá gostar de

6 comentários

  1. Estou em lágrimas, não conhecia algumas dessas mulheres incríveis, mas conhecer mesmo que um pouquinho já me emociona demais, são mulheres incríveis, batalhadoras, que enfrentaram o mundo inteiro, são uma grande inspiração para mim e para todos <3
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  2. Muitas mulheres me inspiram e algumas delas estão inclusas no seu post *-* Eu não li todo o livro da Malala, mas tive chance de ler alguns trechos e fiquei encantada com a história de garra dessa paquistanesa. Minha mãe também é minha heroína e a mulher que mais admiro no mundo. Ela me ensinou muito sobre a vida e sobre amor.
    Beijos

    Vidas em Preto e Branco 

    ResponderExcluir
  3. Ameiiiii a sua lista de mulheres maravilhosas, já assisti um filme sobre a biografia da Frida, que mulher guerreira! bjs
    http://ofantasticomundodairis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Este! Que post incrível! Conhecia essas mulheres, mas só por nome mesmo. Nunca parei pra pesquisar mais a fundo sobre cada uma delas. Quando escolhi esse tema para a blogagem coletiva eu já esperava me deparar com essas surpresas (que como eu já esperava, não são tão surpresas assim hehe).

    Beijoo!

    ResponderExcluir
  5. Nossa inspirações intensas.
    Malala uma bela escolha e ´tima inspiração.
    Adorei, bjs Carlah Ventura - Intensa Vida

    ResponderExcluir
  6. Lindo o post, realmente belo!

    A Coco me inspira bastante, assisti ao filme para saber mais sobre a história dela e fiquei encantada com tudo que ela vivenciou e fez. O filme é perfeito.

    A história da Frida me emociona toda vez, ela é uma mulher encantadora e muito forte. :)

    Sempre gostei muito da atriz Audrey, mas não conhecia a sua história. Achei muito interessante :D

    Malala está sempre em meus pensamentos, a jovem passou por tantas coisas, fiquei muito feliz quando soube que ela estava bem. Acho tão triste saber que em vários países as mulheres são reprimidas.

    Não conhecia a Tenzin, gosto bastante da religião budista e amei saber uma parte da história dela. Muito incrível!

    Outra mulher que me inspira é a Anne Frank ♥

    ResponderExcluir

Subscribe