As magrelas também sofrem

segunda-feira, dezembro 22, 2014


Apelidos pejorativos, vergonha do corpo e dietas malucas não são exclusividade de pessoas "acima do peso". Desde criança eu sempre fui abaixo do peso, tive meu IMC inferior ao que deveria ser. Minha mãe me levou a mil médicos diferentes, me deu remédios, fiz diversos exames e nenhum médico nunca encontrou nada além da genética. Meu pai é um magrelo e tem o mesmo peso desde que eu nasci. Mas ainda assim as pessoas paravam minha mãe na rua pra dizer o quanto eu era magra e perguntar se ela já tinha feito alguma coisa.
Quando a adolescência foi chegando eu via todas as amiguinhas criando corpo, e eu a mesma coisa. Cheguei a usar uma calça de ginástica por baixo da calça jeans todos os dias para ir à escola. E a educação física: era uma tortura. Short, nem pensar. Muitas vezes (ainda passo por isso) você olha a roupa na arara, acha super pequena e, quando veste, fica larga. Aí você se sente um lixo.
Quando um magro fala que quer engordar, quase apanha das pessoas ao redor. Drama de magro não comove ninguém, nem os médicos. Mas a verdade é que as magras também brigam com a balança, podem sofrer para comprar roupa (só compro na sessão infantil) e podem ter sim baixa auto-estima.

As pessoas fingem que no Brasil a ditadura da beleza é em prol da magreza extrema, eu sempre vejo as pessoas falando que a opressão é pras mulheres serem magras igual modelos, mas acho que também tem uma opressão muito grande pra ser "gostosona". .A gente sabe que o que "os homens gostam", o que está estampado nas revistas, nos comerciais de cerveja e nas assistentes de palco dos programas de TV são as belas curvas e pernas. Acredito que essa sim seja a ditadura da beleza e o objeto de desejo aqui no país da "bunda" e "das mulatas corpulentas". Acho que nasci no país errado. 
Experimente perguntar a alguns homens "quem você acha mais bonita: uma mulher provida de peitos, pernas, bundas grandes ou uma mulher magra tipo a Gisele?". Pode acreditar que a maioria vai responder Mulher Jaca, Abobrinha, Melancia, qualquer fruta que lembre um tipo "gostosona". Esse padrão Gisele é algo restrito ao mundo perfeito que só existe nas publicações e passarelas. Todos estão na academia pra ganhar músculos, cintura. Todos estão colocando próteses e mais próteses para ficarem cada vez mais curvilíneos. E isso é um motivo de sofrimento tanto pra quem tem o biotipo de gordinho, quanto pros magrinhos. Acontece que, mais uma vez, as queixas dos magros nunca são ouvidas e são tidas como frescura. E é preciso desmistificar a ideia de que ser magra é o país das maravilhas, uma perfeição e de essa é a única forma de ser feliz. Não, não é, viu?
Muitas pulseiras ficam largas demais, anéis nem pensar, todas as calças precisam de ajustes na cintura, pessoas te olham como se você tivesse algum distúrbio, nas reuniões de família sempre vai ter uma tia fazendo piadinha que você tem que comer mais pra engordar, muitas pessoas vão achar que você não "desenvolveu" o suficiente e não vão entender que é genético, existe bullying também com os magrelos e sempre houve: Olívia Palito, Vara Pau, Tábua. Na maioria das vezes as pessoas magras NÃO TEM nenhum problema de alimentação ou de saúde, e isso só piora. Porque você come, come, come até passar mal e não engorda. A culpa é do metabolismo acelerado.

Sim, todas as mulheres que estão fora do padrão de beleza sofrem. E as que não estão também. Nunca está bom. Você nunca vai ser boa o suficiente. Você vai pra sempre ter que pensar nisso. Mulher não pode engordar. Não pode ser muito magra. E não pode envelhecer. É ridículo ouvir que "homem gosta de ter onde pegar", como se agradar os homens fosse o objetivo final da vida de cada mulher. Todas sofrem. As muito magras, as negras, as gordas. Não estou jogando supertrunfo da opressão, mas isso me deixa triste. A cobrança pela perfeição é uma doença, um câncer, enlouquece pessoas sãs e esvazia pessoas inteligentes. A cobrança pelo visual é uma ameaça às novas gerações, mais do que foi a qualquer outra, porque elas estão cada vez mais expostas às pressões provenientes da mídia.



Eu tô aqui escrevendo, fazendo uma análise e dividindo meus segredos de infância com vocês porque eu ouvi mais uma vez a música Pretty Hurts, da Beyoncé, e toda vez que a ouço fico arrepiada dos pés à cabeça. Eu fico inquieta porque eu odeio minhas pernas finas, meu peso que nunca sobe nem meio grama na balança e minhas neuras todas… E me amar acima disso tudo é um exercício diário. Eu até que consigo, mas é uma constante, e sei que muitas e muitas e muitas pessoas não conseguem.


Mamãe dizia, “Você é uma menina bonita”
O que você pensa, não importa
Escove seu cabelo, corrija os dentes
O que você veste é o que importa

Refrão:
Apenas mais uma etapa
O concurso manda a dor embora
Desta vez, eu vou levar a coroa
Sem cair no chão, no chão
A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
A perfeição é um vício da nação
(A beleza dói, a beleza dói)
A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
Estou tentando consertar algo
Mas você não pode consertar o que você não pode ver
É a alma que necessita de cirurgia

Cabelo loiro, peito liso
A TV diz que maior é melhor
Praia do Sul, sem açúcar
A Vogue diz que
Mais magra é melhor

Refrão

Não é nenhum médico ou terapeuta que pode tirar a dor
A dor está dentro
E ninguém te liberta de seu corpo
É a alma, é a alma que precisa de cirurgia
É a minha alma que precisa de cirurgia
Sorrisos de plástico e negação só pode levá-lo para longe
E você quebra quando assina os papéis no escuro
Você deixou um espelho quebrado
E os cacos de uma menina bonita

Refrão

Quando você está completamente sozinha
E deitada em sua cama
A reflexão começa dentro de você
Você está feliz com você mesma?
É apenas uma forma de mascarar
A ilusão foi derramada
Você está feliz com você mesmo?
Você está feliz com você mesmo?
Sim
Ah, ah

"Não estou dizendo que você não pode querer mudar o seu corpo. Pode sim. Mas aconselho fortemente que não faça isso se odiando. Aprender a se gostar é um processo que pode ser longo e que dificilmente vai acontecer se você mudar só por fora." (Lugar de Mulher)

Espero que a reflexão seja diária assim como é pra mim… só a gente pode convencer a gente mesma que  não precisamos ser o que querem que a gente seja. Afinal, o conceito de "beleza" é algo muito subjetivo e relativo pra ser padronizado.
Obrigada pra quem leu até aqui e mil beijos.

Você também poderá gostar de

15 comentários

  1. Ooi Estefanie , me identifiquei muito com o texto, muitas pessoas acham que ser magro é perfeito e mil maravilhas , mas sinceramente até pode ser mais sofro e ja sofri bastante com xingamentos como ''girafa'' eu amo ser negra mas ja teve horas quando eu era pequena eu odiava no pré por ter apelidos como ''bico preto'' ''cabelo duro e ruim'' ja tive mil xingamentos mas sabe agora me dei conta que quanto mais eu ligava mais eu era zuada , com o tempo você para de dar atenção e para de ser zuada ou esquecida de alguma forma, a mídia meio que impõe esse padrão de beleza de ter um corpão e curvas e sinceramente isso é ridículo(pronto desabafei kkk) ...
    Queria dar parabéns pelo o texto ..

    ResponderExcluir
  2. Nossa Estefanie, confesso que chorei quando você falou de usar um short por baixo da calça. E não só por que é doloroso admitir que eu fazia isso, mas também por que só quem passa sabe o quanto esse pequeno ato representa. É sobre aceitação, sobre ser o que somos ou ser o que eles querem. E olhar no espelho e sentir-se incomodada com o espaço entre as pernas, lembrar das zoações na época de escola e encarar os olhares tortos na rua.
    Me senti totalmente contemplada pelo seu texto e fico feliz em dizer que hoje eu sou tão satisfeita comigo mesma que essas coisas passaram a ser muito pequenas, o suficiente pra mim nem notar mais. ♥
    Amo essa música e lugar de mulher é onde e como ela quiser!

    ResponderExcluir
  3. É tudo verdade. Drama de magra não comove ninguém, mas não quer dizer que isso é frescura. Meu pai sempre disse que o ser humano é difícil de se satisfazer. E agora, mais do que antes, sei do que ele tá falando. Parabéns pelo texto, quase choro no final, ainda mais com esse música da Queen B no final. Texto lindo mesmo, meus sinceros parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Também passo por isso, Estefanie. É um sofrimento angustiante, já até perdi as contas de quantas vezes chorei e me magoei por ter pessoas (que eu achava que me amava) dizer e ditar como eu devo e deveria ser. Tem uns que já me perguntaram se eu tenho alguma doença, como anorexia, anemia ou leucemia, pelo fato deu ser bem magrela. Mas o pior é que como e muito, mas eu não consigo sair dos 47.
    Eu tenho muito neura com meu corpo, principalmente com meus braços e pernas. O pior de tudo é você ouvir isso não só de conhecidos, mas de seus próprios pais. É deprimente. Mas aprendi a me amar mais e não deixar isso me afetar tanto.

    Eu detesto esse padrão e essa diferença que é ensinada. Poxa, ninguém mais pode ser do jeito que lhe convém, que sempre vai aparecer alguém pra dar palpite.

    Gostei muito da forma que você se expressou. Beijos

    ResponderExcluir
  5. MOÇA ♥ MOÇA ♥ MOÇA ♥ Sou do tipo leitora mega fantasma que só aprecia seus posts, e logo depois volta pro cantinho da vida real com um tico a mais de inspiração e energias positivas. Já me identificava com você por outros n motivos e agora ainda mais. Também faço parte do tão falado time "magra de ruim" e realmente é algo ruim (não só no nome). Não é literalmente ruim, mas somos levadas a pensar que sim. E isso acaba com a gente de pouco em pouco. Além de magrela e ter passado por todas essas coisas que você citou ai encima, também enfrento outros padrões. Não uso maquiagem, não vivo de esmalte, coque é meu lema (quero dizer, penteado de guerra), e enfim, fico fora da maioria dos padrões de "meninas gostosonas". O que me dói demais e ver que a mídia vira as mulheres umas contra as outras. É gorda falando que ser magra é ruim porque "não se tem onde pegar". É magra se vangloriando por ter "tudo em cima". MAI GENTE, isso parte meu coração </3 É aquela coisa: ser magra ta errado, gorda também, malhada também, ruiva, loira, morena, negra, branca, asiática, NADA É SUFICIENTE. Sempre vão encontrar defeito em você. Então o jeito é ligar o botãozinho de "dane-se" e tentar ligar o menos possível pra opinião e imposição desses padrões ridículos e dessas regras blé que vão pipocando sabe-se lá de onde (lição aprendida com o feminismo sz). ANYWAY, o comentário já está gigantão então paro por aqui. Incrível texto ♥ É sempre bom ler relatos de quem passa pelo mesmo tipo de problemas que os nossos ;D Beijão!!!

    Ps1: compartilhei o post num grupo de feministas amor do qual eu participo ♥
    Ps2: Pretty Hurts ♥ Baixei esses dias e não consigo parar de ouvir mais!

    ResponderExcluir
  6. Meu Deus, como eu gosto das suas postagens, Estefanie. Acho que me arrepiei lendo sua reflexão tanto quanto você se arrepia ouvindo Pretty Hurts, isso porque me senti totalmente contemplada por ela(s). Sou magra por genética (de ruim, rs) e também sofro muito com isso. Não adianta reclamar, que só faltam me bater! Porque é justamente isso que você disse, magros não tem voz em um mundo onde os "padrões" são esses, quando na verdade o que todos "preferem" são as gostosas (creio que seja uma coisa contraditória).

    Seu post ficou sensacional, sério.

    Continue escrevendo porque estou sempre aqui para admirá-la.

    Beijos,

    http://foinomesdedezembro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oláaa Estefanie! Amei seu post, e me identifiquei muito. Também sou magra, na verdade já fui mais, agora que estou começando a engordar e "pegar" um pouquinho de corpo, e também já sofri muito por ser magra.. Muitas pessoas também vinham falar comigo isso e tal, me chamavam de vassoura e tal.. eu sempre fiquei muito triste e fico feliz por ter engordado mais um pouco, mas devemos nos amar como somos. Creio que beleza está nos olhos de quem vê, e a personalidade e caráter influencia muito nisso. As vezes a pessoa é tão linda por dentro que nem precisa de corpo bonito e rosto bonito pra ser necessariamente bonita. Deus não faz acepção de pessoas, ele nos ama como somos, até por que que graça teria se Deus fizesse todo mundo igual? Ele é um grande artista e por isso as pessoas são diferentes!
    Fica com Deus, beijão <3

    aquela-queune.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Menina. Se eu te falar que quase chorei aqui! Porque me vi em toas as situações que você disse. Tenho 20 anos e 45kg e escuto tudo o que você disse. Já sofri muito com problemas de auto estima e hoje, todos os dias aprendo a me amar como eu sou. Porque sei que além do físico, tenho muitas qualidades.

    Bato palmas de pé pro seu post, porque ficou incrível.
    Um beijo!

    http://www.bilhetedagarrafa.com.br

    ResponderExcluir
  9. Estefanie, me identifiquei muito como seu texto, sempre fui magra, não ligava tanto pra isso. Bem depois quando eu estava na 7ª, 8ª série fui me importando mais, principalmente por causa dos apelidos que eu ganhava, e das piadinhas que alguns tios meus faziam. Quando fui pro Ensino Médio tudo piorou, a maioria das garotas tinha corpão, até mesmo as do Ensino Fundamental. Na escola de Ensino Médio tive que começar a usar calça jeans, e era bem difícil achar uma que servia, e era ainda mais difícil por eu ser magra e alta.
    Hoje tenho 17 anos e acabei de terminar o Ensino Médio, continuo magra e alta , não tenho corpão, e o melhor é que na internet consigo encontrar várias meninas com o mesmo tipo de corpo que o meu, assim é que minha autoestima cada vez mais aumenta.. :)) Beeijo :*

    http://mylittlepalace.tumblr.com/

    ResponderExcluir
  10. Já sofri muito por causa do meu peso (apesar de não ser gorda, sempre fui cheiinha),mas como todas da sala eram magras eu sofria muito com apelidos como bolinha, fofinha, gorduchinha!
    Bem, aos poucos superei tudo isso e hoje percebo o quão aletórias são as pessoas que participam da imposição de padrões na sociedade...
    Todas somos lindas como somos, temos que esquecer todos e ligar para como nos sentimos bem independentemente da aprovação da sociedade e da mídia!
    http://meuladoana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Como eu entendi cada virgula do que você disse, não tenho palavras, como todas as gordinhas te odeiam porque você reclama por ser magra e ninguem entende como aquilo também é dificil, o negocio é que não importa a maneira que você for, se você não estiver feliz não vai bastar ninguem te dizer se esta bom ou ruim. Todos os dias quando eu me olho no espelho eu penso em no minimo umas dez coisas que eu queria mudar em mim, e mais que isso tudo que eu mais quero é me amar, porque eu sei que depois que isso acontecer, nada vai mudar o que eu sinto sobre mim mesma. Esse sim é a minha maior meta de 2015.

    www.naoruiva.com

    ResponderExcluir
  12. Parece que o texto foi escrito pra descrever muitas situações que já passei, sempre fui magra e muita gente realmente acha que tenho algum problema mas já fui em médicos e eles disseram a mesma coisa, é genética. A gente sempre vê pessoa dizendo que o padrão de beleza é só ser magra, mas como você disse, vejo muito mais esse padrão de ter um corpão. Muitas vezes já comentei que queria engordar, até por uma questão de ter ficado preocupada com minha saúde, mas sempre diziam que eu era louca de querer isso enquanto muitas mulheres querem emagrecer, sem contar as vezes que disse isso e as pessoas disseram que eu estava querendo me exibir. Tenho esse drama com roupas também, 18 anos, 46 Kg e uso várias peças do setor infantil.

    Já me preocupei muito com isso e fiquei chateada muitas vezes, mas hoje em dia tento me aceitar sabe?! Acho que o importante é você se olhar no espelho e gostar de si mesma, se valorizar e não fazer da opinião dos outros sua forma de vida!

    ResponderExcluir
  13. Me familiarizei muito com esse texto que foi escrito, sou extremamente magra e não engordo de jeito nenhum, além disso tenho o cabelo "ruim" o que tornou minha vida na escola bem pior. E se reclamo disso pra alguém todos dizem ser frescura e que ninguém sofre por ser muito magra. Morro de vergonha de por biquíni por não ter peito algum e não consigo de jeito nenhum gostar do meu corpo, tento mudar ele, mas como você diz é genética não muda. Já havia escutado a musica da Beyoncé e gostei muito, espero um dia conseguir gostar do meu corpo do jeitinho que é, beijos e adoro seu blog.

    ResponderExcluir
  14. Ótimo texto, ótima reflexão. É exatamente isso o que você falou. O padrão de beleza atinge a todas as extremidades, das gordinhas e das magrinhas e ignorar essa violência, dizer que ela não existe, é uma tremenda estupidez e ignorância. Eu tenho um corpo dito "no padrão". Com cintura pequena e um grande quadril, com pernas grossas, porém, esses estúpidos padrões me atingem também. Atingem a todas, 100% das mulheres sofrem diariamente com isso. O que temos que fazer é o que você sugeriu, nos amarmos mais, nos amarmos do jeito que somos!

    Conheçam o meu blog, nascido a poucas horas, que abordará assuntos como gravidez, métodos contraceptivos, prazer, paranoias, doenças sexualmente transmissíveis e tudo mais relacionado sobre essa parte tão importante, e necessária, na vida de qualquer humano: sexualidade. http://calmagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. sou eu nesse texto hahahah me identifiquei MUITO
    desde pequena eu sou muito magrela e varias pessoas ja me zuaram
    as vezes eu fico chateada sabe, e to tentando engordar (mas acho q já é de natureza eu n conseguir hahaha minha mae era magrela tb)
    adorei esse post, serio
    bjss

    ResponderExcluir

Subscribe