Altares ao ar livre


Bom, há algumas semanas perguntei na Fan Page o que vocês achavam de abrir uma nova categoria no blog sobre casamento, já que esse é um assunto pelo qual me interesso muito. E fiquei surpresa porque a aceitação foi enorme, a foto que postei teve 34 curtidas e eu não estava esperando por isso. Enfim, resolvi iniciar esse tema por aqui e escolhi falar sobre altares. 
Meu sonho é casar em um campo, durante o dia. Meu Pinterest é recheado de inpsirações e hoje vou mostrar várias ideias de altares para casamentos nesse estilo. Vamos lá?

COM TECIDO



COM TIRAS DE PAPEL


EM ÁRVORES


CRIATIVOS


E AS TRADICIONAIS FLORES...



E aí, o que acharam? Espero que tenham gostado. No próximo post mostrarei meus modelos favoritos de vestido! Beijos!

Aprendendo com os filmes de drama


Sou tachada pelos amigos e familiares como uma pessoa com um gosto meio estranho pra filmes, e isso se deve ao fato de eu adorar filmes de drama, ao invés daquelas comédias idiotas e sem sentido. E hoje vou contar um pouco o motivo desse meu gosto.
Eu acho que, se for para gastar 2 horas ou mais do meu tempo assistindo um filme, que este seja bom, que me traga uma lição e me acrescente algo na vida. E eu não encontro isso em filmes de comédia ou terror, por exemplo. Isso não significa que eu os odeie e ache eles inferiores. Claro que eu amo reunir os amigos e assistir um filme que nos faça dar boas risadas mas, pessoalmente, quando estou na minha, prefiro escolher os dramas. 
Não, eu não sou uma pessoa emo, depressiva, com tendêcias suicidas. Nem mesmo sou sádica e gosto de ver histórias tristes onde pessoas sofrem. Mas, acho que quase todo filme desse gênero traz um ensinamento profundo que nos faz refletir sobre a vida. Muitas vezes esquecemos de dar valor aos nossos pais, amigos, namorados, e só lembramos que devemos fazê-lo quando assistimos um filme onde uma pessoa sofre de câncer, vai morar em outra cidade, etc. Além disso, esses filmes são retratos fiéis da vida. Vai dizer que ninguém aqui passa por problemas? Esses filmes servem para nos dar forças e muitas vezes perceber que nossos problemas não são nada perto dos de outras pessoas. Antigamente, ao assistir as tragédias gregas, o público se sentia purificado, agradecido por "viver" aquelas situações através do espetáculo e não por meio de um acontecimento real de suas vidas.
Não consigo entender porque as pessoas têm tanta aversão a essas histórias, porque elas costumam ser bem bonitas, geralmente envolvendo um grande amor e às vezes uma separação. No nosso dia-a-dia a gente tenta afastar pensamentos de morte, distância, etc. Mas até onde isso é benéfico? Esse alienamento? Às vezes é melhor encararmos e termos em mente que essas coisas fazem parte da vida, para que quando elas cheguem, não nos choquem tanto.
Vivenciar essas experiências através de filmes também gera algo semelhante a uma catarse. Às vezes você está cheio de preocupações, choros reprimidos, e quando você vê um filme desses e chora até desidratar, no fim você se sente até melhor, mais leve.
Sei que muitas pessoas preferem assistir um filme para se distrair e esquecer os problemas, mas essa é uma escolha pessoal minha e esses aí são os motivos de eu fazê-la. Eu até entendo a justificativa das pessoas que afirmam não querer sofrer, que a vida já é amarga o suficiente, mas eu prefiro ver pelo lado das lições. 
Fica aqui o meu desejo de que as pessoas abram os braços para essas histórias que podem nos ensinar e nos fazer refletir sobre várias situações que não pudemos (e nem queremos) vivenciar "de verdade".

E você, curte um bom filme de drama? Conta pra gente!

Meus dramas favoritos: As Virgens Suicidas, A Música Nunca Parou, Agora é Para Sempre, Uma Prova de Amor, Intocáveis, Tão Forte e Tão Perto, O Menino do Pijama Listrado, Inquietos, Histórias Cruzadas, Encontros e Desencontros, Deixe-me Viver, Os Descendentes, Desejo e Reparação, Um Amor Verdadeiro, O Silêncio de Melinda, Sociedade dos Poetas Mortos, O Show de Truman, Uma Mente Brilhante.


Karen Hofstetter


Designer, ilustradora, publicitária e fotógrafa. Karen Hofstetter nasceu em São Paulo, formou-se em publicidade, trabalhou com direção de arte, ilustração e tomou aulas com a artista Catarina Gushiken. Estudou design gráfico na Escola Panamericana de Arte, fotografia no Senac, e nunca parou de tocar flauta. Atualmente mora em Berlim e faz um trabalho completamente singular e particular, com muita personalidade. 

Quando conheci sua arte, foi amor à primeira vista. Provavelmente você já viu algo dela por aí, só não ligou ainda o nome à pessoa. Dá só uma olhada nesses encantos:







Foi difícil selecionar as imagens, então, não deixe de conferir tudinho nas redes sociais dela: 

É isso! Quem aí já conhecia? Espero que tenham gostado. Beijos!