Petits Plaisirs [5/12]



"(...) Pois, lhe digo, minha Dona. É uma pena a senhora andar por aí fatigando seus olhos pelo mundo. Devia era, logo de manhã, passar um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa a ruga. Sabe o que faz? Estende-se aí na areia, oblonga-se deitadinha, estica a alma na diagonal. Depois, fica assim, caladinha, rentinha ao chão, até sentir a terra se enamorar de si." (Mia Couto)

Olá, pessoas. Primeiramente gostaria de pedir desculpas pelo sumiço, mas fiquei muito atolada nos últimos dias com coisas da faculdade. Vim trazer hoje mais itens do projeto Petits Plaisirs, mais pequenas coisas que dão sentido à vida, que trazem alegria aos dias. Espero que gostem e compartilhem das ideias.


1. Cheiro de goiaba, que toma conta do ambiente


2. Objetos esotéricos


3. Saber que ainda existem pessoas gentis no mundo


4. Brincar com cãezinhos simpáticos


5. Reencontrar velhos amigos nas férias


No verão...
 .

e no inverno.

6. Passar momentos em família


7. Passear ao ar livre


E o blogger, mais uma vez, cagando na qualidade das nossas fotos. Mas, tudo bem. O importante é a mensagem que elas passam. Espero que tenham gostado. Beijos!!

Várias coisas que eu já quis ser


A ideia do Meme do grupo Rotaroots desse mês é falar sobre 5 coisas que já quisemos ser na nossa infância. Aquelas profissões que respondemos quando alguém nos pergunta o que vamos querer ser quando crescer. Eu, louca, resolvi colocar coisas que até hoje eu penso na possibilidade, em como seria o máximo trabalhar com isso. Claro que a maioria são coisas utópicas, fora do meu alcance e algumas são coisas que eu somente admiro e no fundo sei que não tenho o dom/vocação para tal. E pra radicalizar, levei tanto a sério e tão ao pé da letra que não escolhi só 5, mas 12 itens da minha infância e 12 coisas que pensei depois de crescida já. Porque sim, sou exagerada.

Na infância:

  1. Médica Legista
  2. Cantora: quem sabe na próxima vida. Porque nessa, né... nem em karaokê.
  3. Arqueóloga/Paleontóloga
  4. Power Ranger rosa
  5. Designer de Moda/ Estilista/Personal Stylist
  6. Escritora de revista
  7. Repórter de rua/âncora de jornal
  8. Recepcionista de consultório médico
  9. Bruxa/Gênia: influência de Jeane é um gênio e Sabrina
  10. "Pilota" da aeronáutica
  11. Modelo
  12. Espiã

Depois de grandinha:

  1. Comissária de bordo
  2. Tatuadora: não tenho o mínimo dom pra desenho, nem mão firma pra fazer traçado nem no papel, quanto mais na pele. Mas se eu tivesse o dom, com certeza teria escolhido essa profissão.
  3. Sommelier
  4. Professora de Yoga
  5. Dona de uma loja de antiguidades
  6. Designer de interiores
  7. Escritora e/ou jornalista
  8. Fotógrafa
  9. Confeiteira
  10. Floriculturista
  11. Apresentadora de um programa de viagens no Multishow/Canal Off ou Nômade Digital
  12. Cerimonialista de casamentos

Só para fins de esclarecimento, é claro que tudo isso não foram coisas que eu pensei realmente em seguir e fiquei em dúvida na hora de escolher minha profissão, faculdade, etc. São só coisas que eu paro e penso: pqp, deve ser muito maneiro trabalhar com isso.

E, por fim... o que eu me tornei:
» imagens | one july, kinfolk, kinfolk

Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros que querem resgatar a era de ouro de blogosfera. Para saber mais acesse o grupo do facebook.

DIY: móbile de elefante


Olá, pessoas lindas. Tem vídeo novo e dessa vez é o DIY. Resolvi fazer um mobile (na verdade não sei bem se o nome é esse) em formato de elefante, usando caixa de cereal e retalhos de tecido. Pra ver o passo-a-passo e resultado é só dar o play aqui embaixo:



E aí, gostaram? Não esqueçam de dar like/comentar e se inscreverem no canal, caso ainda não sejam inscritos. Mil beijos e até a próxima!

Body comparative

Recentemente surgiu no Tumblr o movimento do Body Comparative - são fotos comparando partes do corpo com detalhes da natureza. Eu sou apaixonada por fotos e pela natureza, então não teve como não me encantar.
Hoje fingimos não viver na natureza. Com toda a terra coberta de asfalto a cidade vive como numa alienação coletiva. A chuva não é mais aquela chuva, necessária para a vida. Chove, e não sabemos o que é a chuva. A roupa molhada, a enchente, o trânsito, isso é chuva. Deveríamos respeitar a natureza por sua força, por sua resistência, sua beleza, por sermos também natureza, por existirmos dela, por ela.
Separei alguns das imagens que são muito, muito inspiradoras.





Além de tudo, essas fotos servem para nos lembrar de que a beleza está onde menos esperamos - até em áreas do nosso corpo que tentamos esconder ou nas quais não prestamos muita atenção. Para gente se convencer de que a beleza está em todo lugar! Existem nervuras, curvas, "dobras", cicatrizes, manchas, marcas... ainda assim somos seres incríveis! 

A flor que desabrocha no jardim,
abre-se também em meu coração.
O sol que esquenta a terra,
aquece o meu corpo.
A brisa que sopra do mar é o prana que me sustenta.
Rios correm em minhas veias e me fazem pensar:
Nada está separado,
Nada está fora do lugar.

(Tales Nunes)

Motivos para destralhar


Hoje o ser humano finalmente começa a ser novamente associado ao seu verdadeiro Ser, mas durante muitos séculos ficou associado ao Ter, ao que conquistava materialmente. Isto criou um acúmulo grande de matéria desnecessária que traz desordem às dinâmicas energéticas da nossa vida. Se tivermos muitas coisas ilusórias e sem uso acumuladas, passamos a ter que dedicar muita energia a elas, desperdiçando tempo e ação espiritual. Na nova era a relação do ser humano com a matéria terá que se purificar. Hoje ordem e limpeza devem ser prioridades. Isso significa manter na sua vida somente aquilo que é necessário para o seu crescimento e de forma ordenada.

Ter muitas coisas, como disse, exige esforço desnecessário. Esforço para cuidar delas, para limpá-las, para organizá-las, para gerenciá-las, para atualizá-las, para construir ou comprar cômodos para armazená-las, para jogá-las fora e colocar novas no lugar. Assim, aponto algumas vantagens de se ter poucas coisas:
  • organização: menos coisas são mais fáceis de serem organizadas.
  • limpeza: mais fácil limpar um ambiente com menos coisas. 
  • espaço: você precisa de menos espaço para guardar coisas; com menos espaço você aprende a escolher o que entra e o que sai de sua vida.
  • agilidade: maior facilidade de deslocamento. Numa mudança ou numa viagem tudo fica mais fácil.
  • prioridade: você aprende a escolher aquelas coisas que são realmente importantes; isso é físico, mas acaba se transferindo para áreas emocionais e mentais da sua vida
  • economia: você precisa de menos dinheiro para manter e comprar coisas novas e, portanto, precisa vender menos de seu tempo (em troca de dinheiro) para adquiri-las; talvez você precise trabalhar apenas duas horas por dia em vez de oito; talvez você possa trabalhar 15 horas por dia em algo que não pague tão bem (em dinheiro), mas que seja mais significativo para você.
  • qualidade: em vez de ter 10 camisas você pode ter duas de excelente qualidade, de uma marca realmente boa; economizando em móveis, talvez você possa adquirir um computador cuja configuração dure mais que apenas dois anos ou um celular que possa servi-lo por mais tempo
  • tempo: gastando menos tempo em organização, limpeza e gerenciamento de coisas e na aquisição de coisas, sobra mais tempo para aquilo que você considera realmente importante, seja lá o que for (evolução espiritual, dedicação à família). 

Tempo é o único bem realmente importante que você tem. Dar uma finalidade significativa a esse bem exige esforço e autoconhecimento. Tenho a impressão que preenchemos esses dois itens com a quantidade enorme de coisas que possuímos. Talvez por medo, talvez por ignorância, talvez por não saber direito para onde queremos ir.
Reveja o que não está mais em uso e coloque esta energia para circular. Limpe e sempre mantenha em ordem a matéria ao seu redor! Lembre-se que o que esta fora é um reflexo do que está dentro.

» imagem | sincerely, kinsey