29 maio 2016

Mulheres vivem mais quando em contato com a natureza


Um estudo recente revelou que mulheres vivem mais tempo quando cercadas pela natureza.

Um grupo de cientistas lançou a hipótese de que os ambientes naturais ajudam a reduzir o estresse e aumentar a atividade física e social – o que leva a uma melhor saúde. Para chegar a essa hipótese, pesquisadores acompanharam 108,630 mulheres, entre os anos de 2000 e 2008. 8.604 delas morreram durante o estudo. Fatores como idade, raça, tabagismo e nível socioeconômico foram levando em consideração, e a descoberta é de que mulheres que vivem com o mais verde em um raio de 250m perto de suas casas tiveram uma taxa 12% menor entre todas as causas de mortes não acidentais. (Estas associações foram mais fortes para a mortalidade por complicações respiratória e câncer).



As pesquisas concluíram que níveis mais elevados de convivência com a natureza diminuíram a mortalidade nestas mulheres. É uma informação poderosa para refletir sobre o meio de vida contemporâneo em áreas urbanas. Por que menos vegetação significa menos atividade social? A redução da atividade física e social pode perfeitamente levar à depressão e depressão não é boa para saúde de ninguém. Se você quer viver uma vida longa e saudável, considere cercar-se de natureza ♥
Já foi comprovado também que o contato com a natureza torna as pessoas mais sensíveis ♥



Pra ilustrar esse estudo maravilhoso decidi trazer algumas fotos que tirei em um dos lugares que mais amo e me sinto bem: a "roça" onde meu sogro tem casa. Já contei aqui que esse cantinho se chama Espraiado e fica a 11 km de estrada de chão da cidade de Passa Vinte/MG.



"Eu quase não saio, eu quase não tenho amigos. Eu quase que não consigo ficar na cidade sem viver contrariado.
Eu quase não falo, eu quase não sei de nada. Sou como rês desgarrada nessa multidão boiada caminhando a esmo."


20 maio 2016

Você conhece o movimento Lowsumerism?



Você pode não ter ouvido essa definição ainda, mas deve ter notado um movimento crescente para repensarmos a forma como consumimos e nos relacionamos com marcas e produtos.

O Lowsumerism surge, agora, com uma ideia simples: ser mais consciente e consumir menos. O termo vem das definições em inglês “low”, baixo, e “consumerism”, consumismo. A proposta é repensar a lógica do consumo e agir com equilíbrio (sem se deixar levar pelo impulso de “ter”).

Na prática, o movimento exige três atitudes de alto impacto:
1) pensar antes de comprar
2) buscar alternativas de menor prejuízo para os recursos naturais – como trocar, consertar, e fazer 
3) viver só com o que é realmente necessário. 

O vídeo da empresa especializada em tendências de comportamento e consumo Box 1824, The Rise of Lowsumerism, mostra como o consumismo surgiu e se consolidou e põe em discussão o tema. 
As imagens exibidas conduzem o espectador a um passeio, que começa no fim do século 19, quando o consumo começa a aumentar como resultado da industrialização, e vai até o momento atual, com o anúncio do Lowsumerism.


É óbvio que eles não estão pregando o fim do consumo até porque ele é necessário, faz parte. A economia precisa girar. Mas tudo é uma questão de equilíbrio. De buscar alternativas.

Como o autor destaca, 

“todo mundo precisa de dinheiro, essa é a moeda de sobrevivência no nosso modelo econômico, mas o que essas alternativas sugerem é que podemos evoluir a nossa maneira de ganhar e até aprender a gastar com mais inteligência e elegância. De um jeito sutil, mas poderoso, ao apoiar essas iniciativas, os lowsumers estão transgredindo a lógica de um sistema que não vem sendo muito gentil nem com as pessoas, nem com o planeta.”


» imagem | acorda, bonita
» fontes | 1 - 2 - 3

26 abril 2016

O curso de psicologia #3: PsicologiaXPsiquiatria, onde trabalhar, mercado de trabalho...

Gente, esse vídeo já estava editado e gravado há mais 8 de meses, mas não sei por qual motivo eu me esqueci completamente de enviar no Youtube e postar aqui. 
Engraçado é que a cada vez que vejo esses vídeos eu percebo o quanto eu já mudei e cresci, mesmo em poucos meses, com relação à graduação. Se eu fosse gravar esse mesmo vídeo hoje, com certeza sairia bem diferente e eu falaria as coisas de forma bem distinta. Não que tenha falado algo errado, mas acho que agora conseguiria falar as mesmas coisas de forma mais madura. 
Acho que saiu muito simplista, talvez até reducionista sobre os assuntos, mas apesar de achar isso um ponto negativo, entendo que também tenha que ser numa linguagem e dinâmica mais acessível, pois nem todo mundo que vai assistir está inserido no mundo da Psicologia. Aos amigos de graduação e formação, entendam esse lado, hahaha.
Mais pra frente eu regravo, mas pra não perder essa oportunidade e não jogar fora todo o trabalho que tive, aqui vai o 3º vídeo do vídeo de 1h que gravei e tive que cortar em partes, hahahaha. É isso, beijo!



É isso! Espero que gostem e que ajude de alguma forma, esse sempre foi o objetivo! 

13 abril 2016

1 filme, 1 palavra, 1 música

Olá, pessoas! Ando sumida, mas estou viva (e bem!). Só muito agarrada com coisas da faculdade (último ano, TCC, monitoria, sabem como é) e com os cuidados com o Álvaro. Essa semana resolvi revisitar alguns blogs que gosto muito e encontrei no Medo da Pressa essa ideia que achei incrível: uma categoria chamada "1 filme, 1 palavra, 1 música", em que você cita aleatoriamente esses três. Resolvi trazer e adaptar aqui pro blog, espero que gostem de acompanhar.



Mesmo se nada der certo (2013)



Eu assisti esse filme já faz um tempo e amei tanto que saí indicando pra todo mundo. Muitas pessoas tinham me falado pra assistir, mas sabe aquele filme que você tem preguiça e enrola até não poder mais pra assistir? Era assim com esse. Até que numa tarde preguiçosa resolvi assisti pra passar o tempo e fiquei simplesmente apaixonada: pela trilha, pelas interpretações, pelo roteiro que me surpreendeu (achei que era aqueles filmes juvenis, mas nem tanto). As canções do longa convencem por sua qualidade e seus atores convencem como músicos.
Ainda que leve a momentos catárticos pela música, Mesmo Se Nada Der Certo não é o filme sobre metamorfoses que aparenta ser. O encontro entre seus personagens não transforma, leva à aceitação - eles apenas passam a compreender a própria história. A música leva ao autoconhecimento e esse é o caminho para a evolução.
"Keira Knightley vive Gretta, uma jovem compositora sem confiança no próprio talento que se vê sozinha em Nova York depois de perder o namorado (Adam Levine) para a fama. Mark Ruffalo é um produtor musical desprestigiado por suas escolhas profissionais e pessoais. Ele a vê tocando sozinha e visualiza o que ela poderia se tornar. Uma epifania ébria que pode salvar os dois."


Aceitação. 
Acho que essa é a palavra que vem à mente quando penso nesse filme, e uma palavra que me tem sido muito cara. Acho que a aceitação faz parte da vida e, se temos fé, e cremos em algo maior que nós, devemos aceitar, confiar e agradecer tudo que vem e tudo que vai.



Claro que eu não poderia deixar de escolher a minha música favorita da trilha do filme, na voz do lindo e maravilhoso Adam Levine (que aliás, está mais maravilhoso ainda no filme! Assistam). 
Vocês podem ouvir a música e, de quebra, espiar algumas cenas do filme (as melhores, diga-se de passagem). 
Amei tanto essa música que fiz minha amiga Pâmela (que foi influenciada a assistir o filme por euzinha aqui) gravar um cover dela espacialmente pra mim, hahahaha.



O cover da minha amiga:



Alguém aí já assistiu o filme? Ficou com vontade de assistir? Me contem nos comentários.
É isso! Espero que tenham gostado da "nova" categoria aqui do blog. Em breve volto com mais. 

11 março 2016

Canais no Youtube que me ajudam a ser uma pessoa melhor


Sempre procurei ver e usar a internet não só como uma ferramenta de entretenimento, mas também de aprendizagem, não só intelectual, mas em todos os sentidos. Uma ferramenta importante, poderosa, potente. Capaz de mudar ou destruir o mundo, dependendo da forma como for utilizada.
É por isso que gosto de acessar e também divulgar espaços que procuram de alguma forma acrescentar coisas positivas à nossa vida. Não que a gente também não precise de entretenimento e coisas que nos façam distrair um pouco a mente do cotidiano, mas não posso deixar de compartilhar com vocês alguns canais que acesso quando posso para aprender um pouco mais e buscar me tornar uma pessoa melhor. Espero que gostem.



Eu comecei acessando primeiramente o site, o Portal Namu, onde há um infinidade de informações tão ricas que é preciso cuidado pra não se perder. Dá vontade de aprender tudo que existe no mundo, pois tem um pouco de quase tudo lá no site. E o canal não fica atrás. É uma infinidade de vídeos maravilhosos e instrutivos sobre os mais diversos temas, como yoga, alimentação, corpo e mente, sustentabilidade, cuidados pessoas. Tudo que eu amo aprender.



O Natural Vibe eu conheci também a partir do site colaborativo e só depois descobri o canal no Youtube. Eu sigo a Luana, a fundadora da plataforma, no Instagram e também recomendo, pois ela tem postagens inspiradoras. O canal não é atualizado com muita frequência, mas os poucos vídeos que foram postados até hoje são altamente instrutivos e acrescentam MUITO. Corram lá.


Fundada em 1981 por Sri Sri Ravi Shankar, A Arte de Viver é uma organização humanitária e educacional, sem fins lucrativos, engajada em iniciativas de controle do estresse e serviços sociais. A organização opera globalmente, em mais de 152 países. Para ajudar as pessoas a se livrar do estresse e experimentar a paz interior, a Arte de Viver oferece diversos programas para eliminação do estresse, incluindo técnicas de respiração, meditação e yoga. O canal da organização oferece um incrível e rico material gratuito e acessível para refletir, conhecer e estudar alguns temas. Vale a pena acessar e conferir.


Há dois anos fiz um post aqui no blog sobre o canal da Flavia Melissa. O canal dela tem centenas de vídeos que falam sobre desenvolvimento pessoal, gratidão, espiritualidade, relacionamentos, entre muitos outros temas que causam reflexões sobre o lado emocional e espiritual de cada um. Ela é muito simpática, sorridente e irradia uma energia maravilhosa. Também sigo ela nas redes sociais pra estar sempre em contato com as suas constantes reflexões.


Eu sigo a Bianca há muito tempo nas redes sociais e no seu canal no Youtube. Ela tem uma positividade e energia que me contagiam e me fazem querer alcançar cada vez mais um estado além. No seu canal, além de compartilhar suas viagens, emoções e rotina, ela também posta vídeos reflexivos, onde espalha um pouco dos seus pensamentos e sua luz. Adoro demais ver o crescimento dela. É inspirador!


Por último, mas talvez o mais importante, o canal que revolucionou a era das internet, haha, o Jout Jout Prazer. Não preciso nem dizer nada, pois é declarada minha paixão por essa mulher, sua naturalidade e sutileza ao abordar temas tão importantes e tão delicados às vezes. Sempre com bom humor, desenvoltura e sempre colocando o dedo nas nossas feridas e nos fazendo rir de coisas que nem imaginaríamos algum dia. Por mais espontâneos e engraçados que os vídeos possam ser, a maioria deles busca trazer uma reflexão, ainda que pareça ser sobre algo corriqueiro ou pouco importante. Com certeza sou uma pessoa melhor depois que Joutjout apareceu em nossas vidas.


É isso! Espero que tenham gostado! Vocês conhecem e/ou costumam acessar algum desses? Me contem nos comentários! Deixem dicas dos canais que vocês mais gostam também. Beijos!